A relação dos índios Tabajara e Kalabaça de Poranga com a herança de seus antepassados

Os grupos indígenas Tabajara e Kalabaça do município de Poranga no Ceará vem reivindicando pelo direito de sua história e sua cultura. Essa mobilização pode ser percebida na relação que esses índios possuem com o passado arqueológico, visitando e descobrindo sítios de pintura rupestre e reverenciando cerâmicas arqueológicas como objetos de seus antepassados, expostas na Oca da Memória, pequeno museu comunitário situado dentro do espaço da Escola Diferenciada de Ensino Fundamental e Médio Jardim das Oliveiras.

Esse processo de reconfiguração identitária, que cada vez mais vem se fortalecendo no estado do Ceará, encontra-se associado à seleção e recriação de aspectos da memória e de traços culturais emblemáticos capazes de produzir uma alteridade e reconhecimento por parte de certas instâncias do poder que em outros tempos declararam a extinção dos povos indígenas. A relação construída por esses grupos para com os registros e materiais arqueológicos reforça ainda mais o seu discurso de reconhecimento identitário.